conversas murtoseiras (2)


a memória de um tempo, de um lugar, de uma gente.

a nossa memória contada por francisco faustino em 23 de junho de 2018

aqui se fala do moliço, da emigração, de um tempo de águas mais doces

de seres e estares que não voltam e por isso são memória a não negar, esconder ou ignorar.

somos nós, agora ainda, frutos de

 

o moliceiro FERREIRA NUNES


no dia 13 de maio de 2018 o moliceiro “FERREIRA NUNES” beijou pela primeira vez a ria, a este primeiro beijo chamamos nós “bota-abaixo”.

filho e neto de moliceiros, antónio ferreira nunes não andou ao moliço, mas para estes homens o moliceiro é um barco que lhes corre nas veias em direcção à ria.

porque era um sonho, porque queria deixar a memória de um tempo, sem apoios financeiros institucionais, investiu do seu bolso.

num terreno baldio, ao lado da casa onde mora, construiu um moliceiro. com a ajuda do mestre zé rito, usando os paus de pontos e os moldes do mestre henrique lavoura.

o essencial ficou dito na entrevista breve, mas há uma coisa que não podemos esquecer: não há razão que explique este amor dos murtoseiros, dos homens e mulheres desta terra, pelos moliceiros.

será que quem manda não ouve, não sente?

admiro-os porque não posso fazer mais.

tenho orgulho na amizade que alguns têm por mim. tenho pena que sejam tão poucos, mas estou feliz por ver que, para além dos que foram moliceiros e por isso querem ter um a navegar, há uma nova geração que nunca andou ao moliço mas que

TEM MOLICEIROS NO SANGUE E OS QUER FAZER NAVEGAR

BEM HAJAM

(o testemunho do dia do bota-abaixo, num apontamento de vídeo, aqui fica)

os moliceiros têm vela (274)


correr por gosto também cansa e eu estou velho

0 ahcravo_DSC_4174 s bw

(extracto de uma troca de comentários a uma foto minha de moliceiros, no facebook, no grupo “moliceiros com história” , criado por mim )

“- Que ELEGÂNCIA!!! Que IMPONÊNCIA!!! Não hajam dúvidas: somos um povo privilegiado, com estas BELEZAS…

– não basta tê-los, é preciso mantê-los. é esse o desafio que se nos coloca todos os anos. por isso este grupo: para alertar mostrando a sua beleza

– ISSO é outra “loiça”, António… compreendo…”

e assim termina a conversa com um murtoseiro.

moliceiros sim, gosto muito, mas …. passo a outro a luta.

por mim tá passada.

agora vou curtir os moliceiros, dizer que os amo muito, mas não quero ter problemas.

murtosa é isto

0 ahcravo_DSC_4174 s

(regata do bico; murtosa; 2017)