o moliceiro FERREIRA NUNES


no dia 13 de maio de 2018 o moliceiro “FERREIRA NUNES” beijou pela primeira vez a ria, a este primeiro beijo chamamos nós “bota-abaixo”.

filho e neto de moliceiros, antónio ferreira nunes não andou ao moliço, mas para estes homens o moliceiro é um barco que lhes corre nas veias em direcção à ria.

porque era um sonho, porque queria deixar a memória de um tempo, sem apoios financeiros institucionais, investiu do seu bolso.

num terreno baldio, ao lado da casa onde mora, construiu um moliceiro. com a ajuda do mestre zé rito, usando os paus de pontos e os moldes do mestre henrique lavoura.

o essencial ficou dito na entrevista breve, mas há uma coisa que não podemos esquecer: não há razão que explique este amor dos murtoseiros, dos homens e mulheres desta terra, pelos moliceiros.

será que quem manda não ouve, não sente?

admiro-os porque não posso fazer mais.

tenho orgulho na amizade que alguns têm por mim. tenho pena que sejam tão poucos, mas estou feliz por ver que, para além dos que foram moliceiros e por isso querem ter um a navegar, há uma nova geração que nunca andou ao moliço mas que

TEM MOLICEIROS NO SANGUE E OS QUER FAZER NAVEGAR

BEM HAJAM

(o testemunho do dia do bota-abaixo, num apontamento de vídeo, aqui fica)

os moliceiros têm vela (299)


tá-se bem

0 ahcravo_DSC_7064 s bw

no moliceiro “Dos netos” com o meu amigo ti abílio

(que as minhas para contigo
só à vista terão fim)

há muitos anos
talvez não tantos
que o tempo engana

era assim que
terminavam
as cartas de amor

há muitos anos
no tempo dos meus pais
havia cartas e moradas
postais e telegramas

agora
sms’s e-mail’s
e amor

tipo
tá-se bem

0 ahcravo_DSC_7064 s

no moliceiro “Dos netos” com o meu amigo ti abílio

(torreira; regata do s. paio; 2016)

a beleza do sal (10)


0-ahcravo_-dsc_1718

caminhos de sal

falas de amor
1.

amigo, tenho 75 anos, a minha mulher faleceu há quase um ano. se quisesse já tinha mulher em casa. não sou maricas. fomos casados 53 anos e não consigo ver outra a tocar nas coisas dela.

2.

vinte anos é muito. agora é que estou bem: paz, amor

 
(registo: morraceira; setembro; 2016)