súbito


vem voar comigo

súbito
o tempo caiu
sob o tempo
vergou-se

um sorriso
espreita
tímido
do rosto cansado

o corpo
esse animal outrora
desobediente
cede

súbito
é sempre assim
o que é
não sabe como
ser

súbito!
ergue-te
e caminha
o teu tempo
ainda não caiu
sobre ti

toma a minha mão
e vamos por aí
em busca do tempo
para o varrer
nem que seja
por mais um tempo

o cambar


quem ganha?

 
durante as regatas, de moliceiros e não só, a corrida pode-se perder ou ganhar, segundo a forma como se aborda e contorna as bóias que limitam o percurso.

na ria de aveiro diz-se que os barcos “cambam” quando a contornam, é um dos momentos mais interessantes de fotografar e onde a confusão é maior.

(torreira; regata do s. paio, 2010)