quando o mar trabalha na torreira_armando bastos (palito)


armando bastos (palito)

 

o mar sorri-me em segredo
só eu entendo a sua linguagem
feita de ondas e espuma

conversas longas
temos
as mãos dão-se húmidas
onde sal sela
amizades

areia
onde nossos corpos
encontram descanso

os pés rompem a toalha
poisam na areia
para levantar voo
encontrar outro chão
de madeira feito

parto
ao teu encontro

no silêncio das ondas
são mais límpidas as cores

os nossos olhares cruzam-se
dizem-se coisas
falam de amores

 (torreira; século XX)