trump, covid-19 e china


0 ahcravo_drops_DSC_6433
 
os habituais construtores de teorias de conspiração encontram em “donald” (lembram-se dele?) trump um mestre exímio.
 
se não vejamos: a culpa de a pandemia se ter espalhado pelo mundo fica a dever-se a sonegação de informação, ou a uma informação tardia da china – teoria da conspiração
 
então os estados unidos só sabem o que se passa na china através das informações que ela presta? para que servem os serviços de informação, conhecidos por cia? se não sabiam o que se passava na china, demitam-se os responsáveis, se sabiam e não o comunicaram a tempo, demitam-se os responsáveis de novo, se o sabiam e o comunicaram, então a ignorância é propositada e criminosa.
 
admitamos que a cia não funcionou – não soube, ou não comunicou. admitamos.
 
será que as decisões de trump (donald) têm ajudado à contenção do contágio nos estados unidos? pelo que sabemos, pelo que vemos, ouvimos e lemos, nada têm ajudado.
 
quem é o culpado? todo o mundo menos ele. e a organização mundial de saúde por cumplicidade com a china perde financiamento quando mais dele precisa.
 
donald é trump
 
mas, valha-nos isso, (donald) trump é louro, o mesmo acontecendo a johnson (boris) e, como não há regra sem excepção, bolsonaro moreno
 
(esta meditação não se pretende conclusiva e fica aberta a todos os contributos dos comentadores habituais)

crónicas da xávega (343)


o poema
0 ahcravo_ DSC_1323 sbw1

(torreira; 2010)

colhe de madrugada
as mais límpidas palavras
orvalhadas de sonho
no côncavo das mãos
sente-as crescer
sente-as
depois ergue os braços
entrega-as
à brisa da manhã
não importa se as conheces
sequer se as amas
liberta-as
serão elas o poema
que nunca escreveste

“ULISSES”, jorge de sousa braga


ahcravo_DSC_5594_quase_ulisses_jsb
 
o poema “ULISSES” foi publicado num “folheto” produzido, provavelmente em 1981, por “fenda edições”, em coimbra.
 
biografia
 
Jorge Sousa Braga nasceu em 1957 em Cervães e concluiu o curso de Medicina da Universidade do Porto em 1981 com a especialidade de Obstetrícia/Ginecologia. Iniciou a sua carreira profissional no Hospital de Santo António, no Porto. Tem vindo a trabalhar na consulta de casos de esterilidade/infertilidade. Autor de uma vasta obra poética, tem participado também em numerosas antologias, como organizador e/ou tradutor, e tem-se dedicado à escrita de livros infantis. O seu Herbário foi distinguido com o Grande Prémio Gulbenkian de Literatura Infantil.
 
 
bibliografia
 
Frequentemente convidado para participar em eventos de índole cultural e/ou literária, apresenta, na sua bibliografia de originais, os seguintes títulos: De manhã vamos todos acordar com uma pérola no cu, Fenda, 1981; Plano para salvar Veneza, Fenda, 1981; A greve dos controladores do voo, Fenda, 1984; Boca do Inferno, Gota de Água, 1987; Os pés luminosos, Centelha, 1987; Fogo sobre fogo, Fenda, 1998; O poeta nu (poemas reunidos), Fenda, 1991 e 1999; Herbário, Assírio e Alvim, 1999, distinguido com o Grande Prémio Gulbenkian de Literatura Infantil; Balas de pólen (antologia), Quasi Edições, 2001; A ferida aberta, Assírio e Alvim, 2001; Pó de estrelas, Assírio e Alvim, 2004; Porto de abrigo, Assírio e Alvim, 2005.
Relativamente a versões e antologias, destacam-se: Museu e outros poemas, Fenda, 1982; Filhos da neve (em colab.), de Leonard Cohen, Assírio e Alvim, 1985; O bosque sagrado (em colab.), Gota de Água, 1986; O gosto solitário do orvalho, de Matsuo Bashô, Assírio e Alvim, 1986; Sono de Primavera (poemas chineses), Litoral, 1987; O caminho estreito…, de Matsuo Bashô, Fenda, 1987 e 1995; O século das nuvens, de Guillaume Apollinaire, Hiena Editora, 1987; O vinho e as rosas, Assírio e Alvim, 1995; A religião do girassol, Assírio e Alvim, 2000; Poemas com asas, Assírio e Alvim, 2001; Primeira neve, Assírio e Alvim, 2002; Qual é a minha ou a tua língua, Assírio e Alvim, 2003; Os cinquenta poemas do amor furtivo e outros poemas eróticos da Índia antiga, Assírio e Alvim, 2004; Animal Animal – um bestiário poético, Assírio e Alvim, 2005.
 
hasta siempre luís

hasta siempre luís


hasta siempre luís
DSC_0012

oeiras; 25 de outubro; 2008

no dia 25 de outubro de 2008, luís sepúlveda esteve numa livraria de oeiras para autografar a sua obra.
quando o soube enchi uma mochila com livros e resolvi ir estrear a minha nova nikon d80 a oeiras, o autor de ” o velho que lia romances de amor” era obrigatório.
o dono da livraria, ao ver-me com a mochila e a saca da máquina fotográfica, perguntou-me de onde vinha e disse-o a luís sepúlveda que, depois de alguns minutos de conversa, começou a escrever as dedicatórias nos livros que eu levara na mochila.
DSC_0013 s

oeiras; 25 de outubro; 2008

perguntei se o podia fotografar, consentiu, e a seguir o dono da livraria perguntou-me se eu queria que ele nos tirasse uma fotografia aos dois.
desses momentos, ficam estes registos.
hoje, vou voltar a reler “o velho que lia romances de amor” e estar mais uma vez e sempre com luís sepúlveda
DSC_0007 s

oeiras; 25 de outubro; 2008