zé pedro miranda


 

o paulo agarrrado à escota da vela do moliceiro

o zé pedro a agarrar a escota da vela do moliceiro

 

 

filho do alfredo miranda, a quem devo o manual do curso para arrais da ria e que muito jeito me tem feito, e neto do mestre zé rito – antigo moliceiro e actualmente mestre construtor de bateiras e moliceiros no estaleiro da torreira – o zé pedro é um verdadeiro homem da ria.

atento a toda as obras do avô, tem sempre um reparo a fazer, mas é a velejar e ao leme dos moliceiros que se sente bem.

aos 14 anos de idade, ao leme do moliceiro do ti manel valas, primo do avô, ficou em segundo lugar na regata do s. paio da torreira, de 2013.

é em putos como ele, com a tradição no sangue, a arte nas veias e a cultura que vão adquirindo na escola, que a ria continuará a viver.

 

(torreira; 2013)

xávega, o porfio


 

o agostinho trabalhito a cortar o porfio

o agostinho trabalhito a cortar o porfio

 

o saco do aparelho da xávega, é parcialmente fechado/cosido com uma linha mais grossa, de nylon, o porfio.

no fim de cada lanço o porfio é cortado para melhor se tirar o peixe e, depois de esticado na areia e seco o aparelho, porfia-se/fecha-se de novo o saco.

neste registo o agostinho tabalhito corta à navalha ( das que cortam como manda a lei ) o porfio, que ele depois voltará a coser.
(torreira; companha do marco; 2010)