estar vivo


lá vão eles

lá vão eles

 

olho o que vi
e escrevo o que penso
por ter ficado a memória
de ter visto

o longe faz-se perto
tudo pode ser aqui agora
igual jamais
diverso porque recriado

dou-te o que recebi
como revejo hoje
não como o vi

o que te ofereço é
a minha memória

constrói a tua
estás vivo para criar

 

(regata de moliceiros; murtosa; bico; 2007)

 

o tempo passou e…. está quase


pancada de mar no cabeço

pancada de mar no cabeço

 

o tempo de estar aqui convosco, em 2010, está a chegar ao fim.

a safra continuará até que o mar deixe

as imagens ficarão por mais tempo. a memória vai-se fazendo.

estamos quase a deixar que a geografia nos separe.

levar-vos-ei e sei que fico.

uma poucas mais e….

 

 

(torreira; companha do marco; 2010)