memórias da minha coimbra (VII)


0 ahcravo_ DSC_3839

coimbra; praça 8 de maio; a adelaide; 2014

o pinto e vítor gordo
 
 
o tropical é um café da praça da república que faz esquina mas, como a esquina estava a mais, cortaram-na. ficou um recanto acolhedor, no interior, para uma mesa, uma janela sobre a rua e, no exterior, um pequeno poial que servia de assento em dias de sol.
 
era nesse poial que eu, o pinto e vítor nos sentávamos a conversar e a apanhar um pouco de sol.
 
uma das características de coimbra é o modo como os estudantes habitam a cidade: quartos alugados, repúblicas, solares….. havia, porém, uma que era diferente, a “comuna dos galifões”, habitada fundamentalmente pelo núcleo anarquista de coimbra, na maioria rapazes bem constituídos.
 
o pinto e o vítor viviam na comuna, eram praticantes de halterofilismo e senhores de uma envergadura física de invejar. eu, com o meu 1,65m, podia bem sentar-me à sombra deles. e era isso mesmo que acontecia:
 
28 de setembro
 
– cravo, temos de ir ao josé falcão alertar a malta
– oh pá, aquilo é um ambiente tramado
– não faz mal, tu falas e nós guardamos-te costas
 
candidatura do otelo
 
– cravo, vamos fazer umas sessões de esclarecimento aqui à volta
– cuidado, vocês sabem onde nos vamos meter?
– não faz mal, tu falas e nós guardamos-te as costas
 
era sempre assim, um maoista e dois anarquistas. coimbra tem destas coisas.
 
quando acabaram o 6º ano de medicina, pediram um carro emprestado a um amigo e resolveram ir celebrar para a figueira da foz. a falta de hábito de conduzir – nessa época estudante com carro era bicho raro – o ser de noite quando saíram, uma curva traiçoeira na passagem de nível das alhadas….. e o despiste foi-lhes fatal.
 
dentro de renault 5, iam quatro. o carro incendiou-se e, segundo alguns, ainda se ouviram os gritos dos ocupantes, aprisionados dentro do carro.
 
quando o cortejo fúnebre passou em frente aos “galifões” eu estava ao lado do soveral martins, de punho erguido – caíam-nos lágrimas pelo rosto.
 
nestas memórias dei nota de alguns dos meus melhores amigos e de como sem eles coimbra para mim, já pouco tem de interesse.

francisco josé viegas nas quintas de leitura


“A Biblioteca Municipal Pedro Fernandes Tomás recebeu, dia 20 de fevereiro, pelas 21h30, mais uma sessão do projeto de promoção e incentivo à leitura «5as de Leitura», que terá como convidado o escritor, jornalista e editor, Francisco José Viegas, que vem apresentar a sua mais recente obra «A Luz de Pequim» e conversar com o público sobre a sua vida e obra literárias.
 
«A Luz de Pequim» é “um policial brilhante onde o autor grava o seu olhar ácido sobre a ascensão ao poder dos incompetentes e o vazio de valores”. Neste “romance denso e crepuscular”, os leitores vão poder mergulhar nas novas páginas do inspetor Jaime Ramos, que “já se tomou um clássico no quase inexistente género do policial português”.
 
Bio
 
Francisco José Viegas nasceu em 1962. Professor, jornalista e editor, é responsável pela revista Ler e foi também diretor da revista Grande Reportagem e da Casa Fernando Pessoa. De junho de 2011 a outubro de 2012 exerceu o cargo de Secretário de Estado da Cultura.
 
Colaborou em vários jornais e revistas, e foi autor de vários programas na rádio (TSF e Antena Um) e televisão (Livro Aberto, Escrita em Dia, Ler para Crer, Primeira Página, Avenida Brasil, Prazeres, Um Café no Majestic, A Torto e a Direito, Nada de Cultura). Da sua obra destacam-se livros de poesia (Metade da Vida, O Puro e o Impuro, Se Me Comovesse o Amor) e os romances Regresso por um Rio, Crime em Ponta Delgada, Morte no Estádio, As Duas Águas do Mar, Um Céu Demasiado Azul, Um Crime na Exposição, Um Crime Capital, Lourenço Marques, Longe de Manaus (Grande Prémio de Romance e Novela da Associação Portuguesa de Escritores 2005), O Mar em Casablanca, O Colecionador de Erva, A Poeira que Cai sobre a Terra e Outras Histórias de Jaime Ramos e A Luz de Pequim.
 
 
do evento fica o registo possível

memórias da minha coimbra (V)


(alfredo) soveral martins
DIGITAL CAMERA

coimbra; praça do comércio; 2008

 
a muitos dos que se darão ao trabalho de ler o que se segue este nome nada dirá.
 
a alguns, os mais calejados pelos anos, o nome “centelha” talvez os remeta para quando tinham pouco mais de 20 anos, ou pouco menos, quem sabe?
 
em 1971, chegado de luanda a fugir de perigos vários, continuo os meus estudos no técnico, e a aventura era comprar os livros proibidos pelo regime, nas bancas da associação de estudantes.
 
aí encontrávamos a preços de estudante uns livros pequenos, com obras de marx, lenine e outros, bem como a poesia de manuel alegre a assis pecheco, entre outros, de uma editora de coimbra chamada “centelha”.
 
(a primeira edição de “praça da canção” e a segunda de “o canto e as armas” foi a centelha que as fez.
 
lembras-te do início, manel? )
 
centelha em russo é “iskra”, nome do jornal do pcus.
 
mal imaginava eu, nessa altura, que viria a ser amigo e, um pouco, companheiro do responsável pela editora.
 
já em coimbra, onde cheguei em 1973, conheci o alfredo soveral martins. marginal dos marginais, não era homem de tertúlias, tinha muito que fazer, dizia, e não podia perder tempo em conversas de café.
 
o seu escritório de advogado, que o era para além de assistente da cadeira de “processo civil” na fduc, era também a sede da centelha, o escritório da centelha…. era a centelha.
 
um homem com uma capacidade de trabalho extraordinária.
 
as reuniões da centelha, de que guardo religiosamente o recibo da minha quota de sócio, eram dominadas pelo seu discurso sempre calmo, em voz baixa, com exposições que podiam demorar, mais de meia hora, em que expunha ao detalhe e com uma lógica irrebatível o seu ponto de vista sobre o assunto em análise.
 
colaborei na montagem da livraria e numa ou outra distribuição pela província.
 
o soveral martins foi das personagens que maior influência teve na formação ideológica de muitos estudantes, de entre os quais alguns, mais tarde, viriam a desempenhar funções de relevo na vida política portuguesa.
 
dele, dele ficou uma campa em chãs de semide, marginal como ele.
 
dele fica aqui um testemunho, também marginal, mas despretensioso.
 
ao mestre pede-se licença e agradece-se.
 
 

memória da minha coimbra (VI)


memórias da minha coimbra (VI)
DIGITAL CAMERA

coimbra; r. visconde da luz

josé manuel maia gomes
em 1972 começaram a ser leccionados em coimbra os três últimos anos dos cursos de engenharia. para suprir o quadro de docentes vieram então muitos recém-licenciados, maioritariamente da universidade do porto.
o maia, como nós o tratávamos, veio na leva de 74. era mais velho que nós um bom par de anos. calmo, humilde, amigo do seu amigo. nascido em espinho, filho de um contabilista, do qual dizia.
– a arte do meu pai é meter o lucro no cu duma agulha
de uma riqueza humana e intelectual extraordinária, da música ao cinema, da poesia à pintura, do xadrez à anedota, de tudo isso se fazia o maia gomes, sem exibicionismos bacocos era na sequência das conversas é que se ia revelando. tocava e compunha ao piano com uma intensidade emocional que espantava, esgotava-se.
as palavras para ele não tinham segredos. era dos poucos que tinham cumprido serviço militar, mas disso dizia:
– eu não tenho o serviço militar cumprido, tenho é comprido, estive lá 4 anos.
quando o criticávamos por não ser mais rápido, respondia:
– oh pá, eu até a dormir, durmo devagar ….
também lorca servia de pretexto para as suas aventuras poéticas:
“ a las cinco en punto de la tarde
i take my cup of tea”
(frederico garcia lord)
há quem escreva livros e os publique. todos os amigos do maia são páginas do livro que ele nunca publicou, a todos dava o que naquele momento lhe ia na alma, escrevia nos guardanapos dos cafés, nas bordas dos toalhetes dos restaurantes… escrevia e dava.
deu-me um, numa noite passada no “noites longas”, a respeito da sua última paixão – o maia andava de paixão em paixão como peixe no mar. no dia a seguir a minha mulher virou-se para mim com ar zangado e disse-me:
– quem é esta maria que te anda a escrever poemas de amor?
fiquei perfeitamente a zero, até que me mostrou o poema que segue:
“Desenhar para ti a forma como te amo
e contar o seu tamanho
seria falar do universo
sentado no chão
com palavras de quando era menino
Ao Tó-Zé Cravo
MG”
expliquei-lhe que MG queria dizer maia gomes, que ela tão bem conhecia.
o maia foi para mim uma espécie de irmão mais velho, só ele me tratava pelo diminutivo de família e eu a ele da mesma forma, quando os dois.
morreu a correr no choupal, entre 2 médicos, com um aneurisma, tinha pouco mais de 50 anos.
a partir de 1986 tinha dado aulas no iscac, que atribuiu o seu nome a uma sala e o homenageou com um busto e o nome numa das fachadas
pedi ao saxofonista autorização para o fotografar, acedeu. deixei uma moeda. terminou o tema, olhou para e mim e perguntou:
– y ahora?
fez uma curta pausa, retomou o instrumento e interpretou o orfeu negro. eu continuei, dizendo o poema em silêncio

memória_22022011


deixo-vos
DIGITAL CAMERA

coimbra; praça do comércio; 2008

 
deixo-vos
um corpo aberto esventrado
sangrando desejo pelos flancos
uns olhos baços de tanto acender as noites
na invenção de luas nadas mortas
uns braços caídos leves inúteis
de nada alguma vez terem presos
 
deixo-vos
o vento e as nuvens
e um rio a desaguar no deserto
uma paragem de autocarro
sem placa nem passageiros nem carreira
uma ponte sobre o infinito
envolta em mistério e desespero
 
deixo-vos
um pescador a escutar o mar
remendando as redes de um passado inútil
um grito coado pelo vento
a morrer nas muralhas de um cais invisitado
e porque inventaram lágrimas e sofrimento
 
deixo-vos
o rosto salgado
os lábios ressequidos de sede
os dedos gretados de tantas carícias amargas
o ventre rotundo de fome e azia
as pernas com quatro velocidades – cadeira de rodas
 
deixo-vos
uma recordação que se apagará no tempo
como as pegadas no vento que a areia acaricia
 
(in “cadernos de literatura”, centro de literatura portuguesa da universidade de coimbra, número 22 -1985 – instituto nacional de investigação científica)
…….
 
qualquer sítio é bom para escrever.