quando o mar trabalha na torreira_david carinha


david carinha

 

dias há
em que o vento leste
amansa as águas
enquanto a nortada descansa

então
os barcos deslizam cisnes
fazem-se ao mar

como crianças
ao colo materno

dias há
de bonançosas ondas
que afagam os cascos
os recebem com braços
de amante

dias há …
mas quantos ?

são tão escassos

(torreira, século XX)

carências


conforme combinado, a porta abriu-se e ela surgiu.

ele tremia, não estava habituado, nunca tinha.

depois de acertado tudo, ela iniciou as tarefas que constavam do contrato.

constrito ele pediu:

– já, não, preciso de festas, acaricia-me

durante algum tempo, frequentou-a, tornaram-se quase amigos e ela fez dele confidente.

depois… depois cansou-se e quando voltou a querer estar com ela, ligou-lhe, mas atendeu uma voz de homem. tinha partido e o número sido atribuído a outro consumidor.

a vida é um mundo e nem todo o mundo cabe na vida