uma vez na xávega, sempre na xávega


 

 

 

 

a carregar a rede para zorra está o joão bastos ajudado pelo carlos tavares, o alfredo amaral faz uma pausa

a carregar a rede para zorra está o joão bastos ajudado pelo carlos tavares, o alfredo amaral faz uma pausa

 
poderia ser esta uma definição das gentes da torreira: da ria ao mar, do mar à ria, de portugal para outros mares, outras terras.

gente de andar, mestres em barcos de pesca longínqua, em frotas de outras países, emigrantes onde o trabalho compensa, os pescadores da torreira quando regressam a férias, só conhecem um caminho: aquele onde passaram os melhores e piores da sua vida, no mar a trabalhar na xávega.

o tempo passa salgado

 

(torreira; companha do marco; 2010)

Deixe uma Resposta

Preencha os seus detalhes abaixo ou clique num ícone para iniciar sessão:

Logótipo da WordPress.com

Está a comentar usando a sua conta WordPress.com Terminar Sessão / Alterar )

Imagem do Twitter

Está a comentar usando a sua conta Twitter Terminar Sessão / Alterar )

Facebook photo

Está a comentar usando a sua conta Facebook Terminar Sessão / Alterar )

Google+ photo

Está a comentar usando a sua conta Google+ Terminar Sessão / Alterar )

Connecting to %s