“os pescadores” de raul brandão


por estranho que pareça a capa da 1ª e 2ª edição deste livro sobre os pescadores portugueses, é um moliceiro, barco que é tudo menos um barco de pesca.

certamente o artista que concebeu a capa, desconhecedor de pesca mas de arte, não encontrou barco mais belo para ilustrar o livro.

sem o saber, concebendo uma capa que nada tem a ver com o conteúdo do livro, podendo induzir o leitor inclusive em erro, prestou a que, para mim, é a mais bela homenagem ao moliceiro.

o desenho aqui inserido é uma das ilustrações do livro sobre o Congresso Internacional do Mar de 1955, onde não encontrei referência ao autor das mesmas

Os_Pescadores

antónio feio (tóni) continua vivo, any way


bora lá tóni

uma gargalhada
os olhos rasos de tanto
(you know what i mean?)

um estar na vida como
no palco
um homem de todos os homens
uma gargalhada até à última
(any way)

partir partilhando
vertical
não consigo tony

agora quando te revir
serão as lágrimas por ti
pelo que estás a fazer
e eu ficarei sem saber

onde quer que estejas
onde quer que mores
há um colete de vaca pendurado
à espera que o vistas
umas bejecas, entre tremoços
e um cigarrito

http://www.youtube.com/watch?v=wnJRRibuExs

http://dn.sapo.pt/inicio/artes/interior.aspx?content_id=1630217&seccao=Teatro

http://www.youtube.com/watch?v=mvBlyt0CHOU

a companha por herança


bruna e marlene murta

o falecido zé murta, deixou 4 filhos, uma neta e um pedido: não deixem morrer a companha.

a marlene sempre foi uma rapariga de trabalho e a responsável, desde que a conheço há muitos anos, pela contabilidade da companha, além de trabalhar no alar das redes, no conduzir dos tractores.

a sobrinha, bruna, de 3 anos, já segue as pisadas da tia. o ano passado já andava com as mãozitas nas cordas e este ano já a vi escolher peixe e separá-lo para as caixas certas.

apanhei-a, neste instantâneo, a imitar a tia no fazer das contas, cadernito na mão.

descansa zé, a companha continua.

(murtosa – torreira – companha do murta)