crónicas da xávega (294)


pedras
0 ahcravo_DSC_6710 s

a manga do reçoeiro a passar no alador

 
a meio do caminho
surgem muitas pedras
no meio do caminho
 
difícil saltar por cima
das pedras
mudar de caminho
não será fácil
 
mas
a meio do caminho
ainda falta outro meio
 
mude-se de caminho
as pedras são o que são
pedras e nada mais
 
(torreira; 2016)
 

crónicas da xávega (278)


auto-retrato (3)

0 ahcravo_DSC_0156 s

em cima do barco o ti augusto arruma as mangas

do entretecer dos fios
se faz a corda

aparelha-se o barco

na vida só sei do reçoeiro
a mão de barca
crêem alguns que um dia

aparelha-se o homem

do entretecer dos dias
se faz o tempo

(torreira; 2014)

…………………

notas

reçoeiro – a corda que fica em terra

mão de barca – a corda que o barco trará e fechará o lanço

crónicas da xávega (185)


o meu amigo ricardo

0-ahcravo_dsc_6526

no reçoeiro, o esforço quando a manga chega e é urgente trazer o saco para terra, a máquina não basta.o homem sempre

14 anos de idade, 11 anos depois de o ter conhecido.

o homem e a máquina, a máquina do homem, do tempo, do esforço, do crescer assim rente ao mar, com o mar nos olhos a invadir o sangue.

o puto que já foi, no homem que é puto ainda, para mim

(torreira; 2016)

no reçoeiro, o esforço quando a manga chega e é urgente trazer o saco para terra, a máquina não chega.