crónicas da xávega (135)


quisera-me lá

0 ahcrav_DSC_6070 bw

o arribar do calão do reçoeiro

haver ainda mar
por onde olhos
se perdem

se esvai
a raiva imensa
de saber que homens
lobos de homens

sou areia onde espuma
chega-me o sal aos olhos
navego para longe

quisera-me lá

0 ahcravo_DSC_6070

o delmar à direita e o ti augusto de boné ao fundo à esquerda

(torreira; companha do marco; 2013)

os moliceiros têm vela (186)


na vela o vento

0 ahcravo_DSC_6153 bw

com duas velas

ser ainda árvore
depois da tempestade

deixar que o vento siga
a sua eterna viagem

fundas as raízes na terra
escrevem o teu nome

sorris sem saber como
nem para quem

mais forte o sorriso
que o vento

na vela

0 ahcravo_DSC_6153

que beleza é esta?

(torreira; regata da ria; 2011)

os moliceiros têm vela (185)


boa viagem meu irmão

SONY DSC

o “a. rendeiro” mostra-se

não consigo escrever
o teu sorriso
a lágrima de alegria

a espera foi dura
contados os dias

não consigo escrever
a tua voz
como se muitos anos
mais jovem

abraço-te com palavras
e lembro-me de um verão
juntos rente às raízes

nesta nova viagem
sê feliz meu irmão

SONY DSC

o ti zé rebeço mostra o que vale

(murtosa; regata do bico; 2009)

postais da ria (135)


a capa

0 ahcravo_DSC_6901 domingos guerra e salvador bw

o salvador e o falecido pai, ti domingos, cirandam berbigão

não lhes conheces
o rosto o nome
o quanto

à mesa saboreias
o que deles

olhas os registos
estudas contrastes
enquadramentos

outro repasto
para outro prazer

regressarás quando
só porque viste
saboreaste sentiste

mas não lhes sabes
o nome o rosto
a vida

não contas a estória
lês do livro a capa

0 ahcravo_DSC_6901 domingos guerra e salvador

as cores da ria não dizem tudo das suas gentes

(torreira; cirandar)