os moliceiros têm vela (227)


NÃO DEIXEM MORRER OS MOLICEIROS!

00 ahcravo_DSC_4573 bw

momentos finais da regata da ria 2016.

os 3 primeiros estão definidos: em primeiro lugar o “Zé Rito”, em segundo o “A. Rendeiro” – por dentro – e em terceiro o “Marco Silva” – por fora.

até ao fim sempre juntos e com pouca diferença.

houve regata, sim, houve competição, sim. os moliceiros mostraram o que valem e como podem dar vida à ria.

NÃO DEIXEM MORRER OS MOLICEIROS!

00 ahcravo_DSC_4573

(regata da ria 2016)

construção de um moliceiro


3 de agosto

depois de fixada a bica da proa, continua-se o “folheamento” dos costados do moliceiro.

neste registo o ti zé rebeço, de passagem pelo estaleiro, ajuda a dobrar uma tábua afeiçoando-a ao costado, enquanto o mestre zé rito aperta a madeira com os “grampos”.

em breve o barco estará fechado.

uma coisa é verdade e constante na torreira: a construção de um moliceiro é ponto de encontro de todos, não falando das visitas.

o mestre não tem aprendizes: tem amigos

0 ahcravo_DSC_7409

2 de agosto

depois de colocadas as cavernas e os braços e com uma cinta de costado. faltava a colocação da bica da proa para que o moliceiro tivesse a sua forma final.

o mestre zé rito, ajudado pelo amigo nuno cunha (setenove) fixa a bica da proa.

a beleza do moliceiro enriquece-se a cada dia

0 ahcravo_DSC_7395

30 de julho

o molde

os mestres contrutores navais passavam aos aprendizes o seu saber não só pelo ensinamento das boas práticas, mas também pelos modelos de que serviam para a construção dos barcos.

os paus de pontos e os moldes, são dois exemplos.

neste registo o mestre zé rito, usa o molde das cavernas e braços – que lhe foi oferecido pelo mestre joaquim raimundo e posteriormente adaptado a seu gosto – para recortar mais um braço de um pedaço de pinheiro manso

0 ahcravo_DSC_7299.jpg

 

30 de julho

continuação da feitura e montagem dos braços. neste registo o “afeiçoar” de um braço

0 ahcravo_DSC_7303

29 de julho

o mestre zé rito a fazer “braços” e vê-se já o barco com tábuas de costado

0 ahcravo_DSC_7216

 

26 de julho

00 ahcravo_DSC_7143 bw

 

18 de julho

ahcravo_DSC_6651 bw

postais da ria (181)


nunca mais

0 ahcravo_DSC_0295 bw 1

rapa-se o cabeço em busca ameijoa ou berbigão

à beira ria juntam-se
os que regressaram
contam os dias idos

o tempo em que partir
já era urgente
não por ser parca a safra
mas sem futuro
o que a vida prometia

do que havia então
pouco resta
nem moliço nem peixe
sequer a ria

olha-se tudo com tristeza
regressou-se à ausência
vive-se com a memória

sente-se que o fim de tudo
não tarda e repetem

não há futuro aqui
nunca mais

0 ahcravo_DSC_0295 a

a névoa cobre tudo, até o futuro

(torreira)

plantar uma árvore na ria


00 ahcravo_DSC_7143 bw

já com sombra, o mestre zé rito e o zé rebelo (dono do barco) trabalham

à terra arrancada
seca cortada afeiçoada

da árvore a memória
reconstruída pelo homem

a reinvenção do barco

à sombra por fim oferta
o homem cresce
vergado ao peso da obra

amanhã vamos plantar
uma árvore na ria

00 ahcravo_DSC_7143

o zé rebelo aplica gordura para preservar a madeira

(torreira; 26 julho, 2016)