“quando o mar trabalha” na murtosa


em 2018, o murtoseiro diamantino moreira de matos promoveu e organizou três sessões subordinadas ao tema “varinas”.

deu-lhes a designação genérica de “varinas dos pregões” sendo que cada sessão teve desenvolvimentos subordinados a temas diferentes, caracterizados no subtítulo da sessão.

assim, no dia 1 de agosto, a sessão designou-se “vivinha a saltar”, no dia 29 de agosto “a canastra dos artistas” – 1º lanço e, a terminar, no dia 26 de outubro “a canastra dos artistas” – 2º lanço.

foi neste 3º momento que fui convidado pelo promotor, organizador e autor do evento, diamantino moreira de matos, para participar dizendo poesia do meu livro “quando o mar trabalha” e fazê-lo com a companhia de outros amigos que diriam poemas do livro.

do momento poético deste evento, realizado no auditório municipal da murtosa e o primeiro das comemorações dos 92 anos do município da murtosa, fica o registo possível.

obrigado diamantino pelo saber, a arte e a amizade. como diziam os antigos: bem hajas

(nota: a foto de abertura do vídeo é da autoria de outro grande amigo, camilo rego. um muito obrigado e um grande abraço, amigo)

nesta sessão foi também visionado o registo por mim feito em 2016 com a emília russa e olívia borras, que de novo publico

 

Notícias de Aveiro: Outubro 2018


Corrupção meu amor

ahcravo_DSC_5057_leirosa_a sombra bw

Não, não é o título de um filme, sequer de um romance. É um drama que está em cena nos palcos de muitos países, de que se conhecem os nomes de alguns actores, mas cujo realizador prefere não constar do cartaz – chama-se dinheiro e foi ele que concebeu toda o enredo deste drama.

Os tempos mudaram, os países são outros, as utopias desvaneceram-se, o consumo e a ostentação deslumbram, o eu é cada vez maior que o nós.

Vivemos um tempo em que tudo se compra e muitos se vendem, para depois serem insultados por quem os comprou.

É este o modo de actuação do dinheiro: primeiro compra (nem sempre o consegue) os que se lhe opõem, depois denuncia os que se venderam, para os derrubar, escolhendo de seguida o que já é seu. Entretanto fica na sombra, bem instalado, assistindo ao espectáculo por si arquitectado.

Poderia ser este o drama do Brasil, poderia não, é mesmo.

O deslumbramento de alguns dirigentes e eleitos do PT perante o mundo que o dinheiro proporciona, eventualmente ligado a impreparação ideológica, tornou-os presa fácil. Depois foi só começar a lenta destruição dos deslumbrados.

Consultores pagos com bom dinheiro, foram tecendo a trama que levaria ao que estamos a assistir.

Durante a campanha eleitoral estalou uma guerra entre apoiantes dos dois candidatos à segunda volta – porque o ambiente é de guerra e, quem sabe, não vai ficar só pelo ambiente.

Calado, depois de dizer as maiores barbaridades – versão sul americana do vídeo “Trump in America” -, Bolsonaro espera. O dinheiro sorri.

Interessante notar a semelhança entre Trump e Bolsonaro, ambos rodeados pela família que também ocupa cargos políticos – de repente lembrei-me de Itália e o termo família fez-me secar a boca.

Temo pelos brasileiros todos, sem dinheiro ou com ele, mas que votaram e se manifestam contra Bolsonaro. O homem até já faz ameaças de morte! Temo pela América Latina, pela justiça e pelos injustiçados. Temo pelo regresso ao passado.

Sou pela limpidez dos procedimentos e contra a corrupção, defendo a justiça e os direitos humanos, sou pelo direito à diferença e por uma sociedade menos desigual.

Sou contra a corrupção, repito, mas isso nunca me levaria votar Bolsonaro, NUNCA.

Como diz o ditado “é pior a emenda que o soneto ”

#elenão #elenunca

visível em https://www.noticiasdeaveiro.pt/category/opiniao/

 

dos camelos


dos camelos

0 ahcravo_DSC_7396 bw

o mendigo basilius, criação do actor joaquim vieira basílio – arzila, 2015

no palco do mundo
artistas muitos há
poucos porém da arte
senhores são

pensam que não vejo
não sinto não sei
mas
também eu sou actor
fraco mas sou

tinha a palavra camelo
atravessada na garganta
como se espinha

saiu-me com a ajuda
do basilius
um verdadeiro actor
que já partiu

descansa em paz basilius
os camelos também

(arzila; 2015; feira medieval)

 

os moliceiros têm vela (330)


hoje

0 ahcravo_DSC_2202 bw

o “Doroteia Verónica” ainda era um moliceiro inteiro

entra em mim o outono
por debaixo da porta
deste estar aqui ainda

o vento levou as memórias
onde habito

fui-me e fiquei
para ser
o que esqueci

0 ahcravo_DSC_2202

o “Doroteia Verónica” ainda era um moliceiro inteiro

(torreira; regata da ria; 2011)