os moliceiros têm vela (281)


carta aos resistentes

0 ahcravo_DSC_4257 s bw

não se darem as mãos
não serem um
habitado por muitos

admiro que ainda
perguntas-me como

só encontro uma palavra
amor

assim a terra
o entendesse

não se darem as mãos
não serem um
habitado por muitos

não é sonho
é viver ou morrer

0 ahcravo_DSC_4257 s

(regata do bico; 2017)

Anúncios

aqui portugal, voltámos


acabei de receber dos estados unidos, mais precisamente de um alfarrabista da pensilvânia, os dois primeiros volumes dos “Estudos Etnográficos de D. José de Castro” – “Pescadores” e “Moliceiros”.
 
o interessante no meio desta aventura é que tive de pagar taxas de alfândega e de desalfandegamento de um bem que é nosso e fiz retornar ao nosso país.
 
o valor não é relevante face ao da aquisição, mas o facto é.
 
a factura com o descritivo vinha no exterior, será que não bastava para não haver cobrança?
 
talvez num país que se preocupasse mais com o património até me premiassem por ter conseguido repor património que estava no estrangeiro, mas para isso era preciso outro país com outra cultura.
 
assim vamos por cá
 
eu? eu feliz que nem um passarinho na primavera
000 estudos etnog
 
(imagem da net, site do alfarrabista)

mãos de mar (32)


sorriem muito

0 ahcravo_DSC_2307 s

mãos de mar, mãos de luta

não tomam posição
sentam-se à mesa do mas
trocam ideias discutem
não concluem nunca

gostam muito do talvez
evitam nãos e sins

são espectadores
que querem palco
de bandeja sem suor

à janela dos dias
esperam um vaso de flores
no peitoril dos olhos

de tão subviventes
conseguem
ser sobreviventes

sorriem muito

(torreira; 2015)